segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

ADDICTED.

Estou oficialmente viciada.
Preciso urgentemente de um detox.
Só consigo pensar em 5 coisas: JOHN MAYER NO RIR, BRUNO MARS, STEREK, ESCREVER UMA FANFIC,MEUS PROBLEMAS. Não na ordem em q ta tudo mexendo comigo, mas...

Ai Bells pra que caps? AI MANO por que ta tudo maximizado, desde a paixão louca, a obssessão, até o desespero pelos problemas.
Tudo isso ta me tornando uma confusão. HUGE MESS.

Mentira, na real eu to surtada como eu já falei aqui, mas o lance é, tudo isso, tirando meus 99PROBLEMS, ta me dando um escape sabe?

Pensar numa história de amor proibida preenche as lacunas com uma falta de amor na minha :p
Não só isso, também me deu vontade de escrever um livro de novo. E eu acabei de recomeçar.
Me deu um comichão bom sabe?
Por enquanto é só uma fic, mas se depois, as pessoas curtirem, por que não escrever um livro mesmo?

JM NO BRASIL: SURTEI, CHOREI, GRITEI, XINGUEI, ME DESESPEREI, e é CLARO q eu to confirmada no RIR. Minha mãe se comprometeu em ajudar por que ela disse q eu mereço realizar meus sonhos. MUITO LINDA NÉ MESMO? Então, em setembro eu volto pro RJ pra ver meu homem.

Bruno Mars, ou Peter pros íntimos é minha nova paixão. Ele conseguiu me fazer ouvir o cd novo dele em looping de forma infinita pra vida.
Tudo que eu quero é me sentir LOCKED OUT OF HEAVEN por ele. <3 a="" ao="" aquele="" canta="" chocolate="" cora="" dan="" de="" lindo="" meu="" o.="" o="" p="" peda="" pequeno="" que="" roubou="" t="">

Vou pra casa agora escrever meu livro viu, q eu ganho mais.


quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Overthinking


Eu to surtando.
Minha mente anda completamente fora de controle.
Tipo, nada é o que parece a minha volta.
Todos os mil e um problemas estão de volta.
E pelo menos o ano novo me deu algo pra comemorar, te esqueci.
Essa foi minha única sorte esse ano, te lavei a meia noite, passei por cima de você, sou livre novamente, E DEUS SABE como é bom ser FREE AGAIN.
Fora isso, os amigos, eles são minha sorte e felicidade sempre, ter me aproximado mais de alguns me fez realmente bem.

De resto, tudo é frio, sujo, triste, tudo é tristeza.

99 problems.

Grana, casa, família, mais grana, faculdade, a faculdade ta em mindfuck total comigo.

Eu ando me comportando como se não me importasse, mas eu me importo pra caralho sabe.

Todo esse lance de não me encaixar, de não conseguir/querer estudar, não progredir...

Eu queria só ser como a merda dos modelos que estudam comigo, ou pelo menos só fingir tão bem quanto outros.

Eu queria ser normal.

Ter a merda da vida calma e pacata que um bando de filho da puta escroto que só faz merda na vida tem.

Eu to cansanda de sentir tanta raiva, de me irritar tanto, de me odiar tanto de, não conseguir lidar com essa merda toda.

Não consigo dormir a noite por que eu fico pensando em tudo, e pior eu acabo dormindo quando eu deveria estar na aula e não indo pras aulas o que provavelmente selou meu destino de perder em tudo por faltas.

E eu só não consigo empurrar essas coisas pra longe.

Então eu me empurro pra longe.

Empurro quem eu sou, o que faço, onde vivo, o q estudo e todo o resto.

Eu simplesmente mergulho em qualquer ilusão vadia sobre uma vida melhor.

Que nem sempre é a minha na realidade.

Ouço a música mais alta o quanto puder, assisto a quantidade máxima de sériados que consigo, me importando com o destido do personagem mais miserável pra poder pensar em qualquer coisa menos no MONOSSILABO de vida que eu levo.

Passo horas planejando uma vida melhor onde coisas boas finalmente acontecerão comigo, e eu só coloco um marco temporal qualquer pra que elas começem.

Ou simplesmente me obceco por um casal qualquer, destinado a dar errado ou não acontecer.

Já perdi a conta de quantos seriados ativos, em hiatus, ou que já acabaram.

Tudo pra não pensar.

Até que eu tenha que correr de volta pra minha merda de rotina, pra minha merda de realidade diária.

E ai, eu só bato muito forte no chão, depois de cair por uma eternidade.

E dentro disso, eu me pego escrevendo um desabafo quando devia estar fazendo meu trabalho idiota.

Eu só queria que tudo isso parasse, tipo, agora.

Infelizmente eu não achei uma forma ainda de tornar meus desejos realidade.

Então, me desculpe se você leu isso tudo, você não tem nada com isso. Um aviso, como nada anda verdadeiramente bom, é capaz de que vc não encontre nada de realmente bom pra ver por aqui por um tempo, sugiro que não passe por aqui, por alguns dias, ou até meses.

Quem sabe o tal marco temporal rola e vc me encontra melhor...


Ps: É eu voltei, com o rabo entre as pernas e a praguejar, mas voltei, afinal, isso sempre foi meu mesmo.


Love, always.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

I'm back, to black.

Minha vida vai e volta e está de pernas pra cima, again.
Pessoas entram, ficam ou saem sem nunca ter ficado, ou saem depois de muito se fazer presente.
Parece que os meus amigos são constituídos por épocas da minha vida, em determinados tempos, lá estão eles, em outros, nem sinal.

Sempre achei que tinha muitos amigos, mas descobri que tudo isso era só algo que eu pensava possuir.
Não sei ao certo se é minha culpa, se há um culpado, ou se só sou eu problematizando a vida novamente.

Na real, tudo que eu sei é que estou sentada no meu quarto escuro, digitando, ouvindo John Mayer e chorando. Quantas vezes isso já aconteceu? Inúmeras.
Cada vez tem seu significado, sua forma, seu motivo, ou até a falta dele.

Eu parei de escrever, e de ler, parei de postar por que estava me sentindo vigiada.
Só mais uma das minhas paranoias. Se as pessoas perguntam, ta tudo bem. É assim que deve ser.
Meus problemas vão continuar existindo, e preocupar ou entristecer as pessoas não vai resolve-los.
Então hoje, e só hoje, eu vou me dar ao luxo de verter um rio.
Sentada no meu canto escuro, ouvindo meu cantor.

E pra não dizer que ninguém soube, meu caro amigo, voltei a desabafar com você.


terça-feira, 12 de junho de 2012

Eu não sou preferência nacional.

Eu não sou preferência nacional.

Ok, você que lê esse post vai pensar: " Agora ela surtou de vez!"
Não é isso, apesar de minha sanidade mental não ser das melhores, eu ainda não surtei de vez.
But, eu não sou mesmo preferência nacional, não sou o tipo de mulher arrasa quarteirão, e após anos e anos me importando, lutando pra engordar, eu ligo cada dia menos para isso.
Não, eu não acho que sou o último biscoito do pacote. Pelo contrário. O caso é, ser peito bunda e coxa cada dia me importa menos.
Não vim aqui desmerecer as gostosas, ou dizer que eu também não mataria para ser gostosona. [BRINKS]
Entretanto cada vez mais eu tomo consciência que ser gostosa não é tudo, deixem-me explicar.

Mulher se ilude que ela precisa ser sempre mais pra atrair atenção do homem "perfeito" [outro conceito que eu vou debater mas em outro post], ser mais bonita, mais inteligente, mais hot. Todavia eu percebo que os homens até querem bunda e peito, mas boa parte deles [ a parte que vale a pena, pelo menos] quer muito mais coisa. Nesse momento você se pergunta, o que é muito mais?
Os meus amigos homens [ e pra minha sorte eu tenho uma gama deles] são loucos pelos mínimos detalhes femininos, e eu tenho lido em um monte de blogs tipicamente masculinos por ai e comprovado que não são só os meus amigos.
Eles dão valor as coisas mais comuns, tipo: bom humor, inteligência, companheirismo, compreensão, vaidade, segurança, confiança, auto estima entre muitas outras.
Ai você coça a cabeça e se pergunta, e beleza Bells, e beleza?
Veja bem meu bem, Beleza é fundamental, como diria o safadinho do Vinicius, só que não é o conceito de beleza pronto, cheio de mimimis e não me toques, é mais, até por que o belo  é um conjunto de fatores que depende muito mais de quem vê, do de do que é visto.
Diga pra mim, quantas vezes você já estranhou o conceito de beleza de alguém? Ou o seu próprio já foi posto a prova?
Eu já vi, ouvi, descordei e estranhei inúmeros conceitos de beleza. Me recordo sempre do filme o amor é cego, o melhor amigo do personagem principal, o carinha baixinho e careca[ não eu não sei o nome dele e careca só o Vin Diesel e o Jason Statan]  que não fica com uma guria linda por que o segundo dedo do pé dela é maior que o dedão. [ cada um com suas patologias.]
Me vem a mente então, que eu não disse de onde partiu a minha reflexão pra fazer esse post.
Os meus lindos amigos homens e as conversas que eu tenho tido com eles sobre relacionamentos e sobre como eles visualizam a mulher. Cada um deles vê belezas diferentes, em detalhes que nós mulheres nem imaginamos! Desde unhas do pé bem feitas, a hipótese da barriguinha [ http://virou.gr/Klz3Bd ], um belo sorriso, determinação, caráter,  que falem palavrão, sejam doces, gordinhas, magrelas, cacheadas, ruivas, com bundão, cintura fina, delicadas, sem frescuras, safadas, recatadas, fortes, e até por que não a boa e velha nerd[ \o/ ].

No frigir dos ovos, minha conclusão é, meninas sejam vocês mesmas! Gordinhas ou magrelas, loucas ou sérias, medrosas ou boxeadoras, vocês vão encontrar ao longo de sua vida, várias tampas que se encaixem em  sua panela. E cada uma dessas tampas há de te amar pelos seus defeitos e qualidades mais estranhos, e ainda que você não creia, é exatamente isso que vai te tornar única e especial.
Palavra de uma guria comum, magrela, de nariz largo, cabelo duro, que fala muito palavrão, é revoltada, corre ás léguas dos padrões [inclusive dos de beleza!] e volta e meia se surpreende com alguém que elogie algo impensado nela.

terça-feira, 15 de maio de 2012

Eu quero o que[quem] ainda não tem nome.

Hoje eu estava trocando torpedos com um "boyzinho" e o último deles me motivou a sair da inércia de dias e postar.


Estávamos a falar da vida amorosa dele, ou melhor, do fato dele ser um total e completo forever alone nesse momento de sua trágica vida.
Quem me conhece sabe, adoro me ocupar com os problemas alheios. Sempre uma ótima forma de olvidar os meus.
Partindo disso, eu tentava dar a ele um ponto de vista otimista[eu sei, eu sei, eu dando pontos de vistas otimistas, quase impossível  de se ver acontecer, mas eu juro que tentei.] o que não pareceu funcionar, já que ele insiste em discordar de mim. Segundo ele é divertido discordar de mim.[ Fazer o que produção?]
No frigir dos ovos, eu não consegui dar um bom prognóstico pro rapaz, mas ele me deu um perfeito.


Por mais louco que pareça ele conseguiu ressignificar o que eu própria não pude.
Falando sobre o que ele, que por tempos disse não saber, quer no momento, ele identificou o que eu queria e não sabia.


Sms dele: "Quero coisa nova, coisa concreta, que desperte em mim algo diferente."


Pode parecer bobo, pode parecer uma constatação fácil, mas não é.


Pelo menos não pra quem saiu de um relacionamento há 3 parcos meses. Insólitos, mas vividos eu diria.


Uma pessoa disse pra mim certa feita, que quando você termina um relacionamento você procura uma pessoa igual pra por no lugar. Na época eu discordei, e cheguei a dar vazão pra esse pensamento insano, e tenho que dizer, true story.


Não fisicamente,[até por que como diz Mille Santos, não tem um par igual na minha ficha] pelo menos eu não cairia nessa besteira, apesar de saber quem faria-fez-está fazendo  isso.
Mas é verdade, você procura semelhanças nas pessoas. O jeito de ser, os sorrisos, os olhares, o toque, tudo. Você se prende e deseja aquilo, compara, em cascata diriam alguns.


Ao ler o torpedo dele eu me dei conta do quão eu queria uma NOVIDADE, por God, como eu não havia notado isso antes? 
Não é que eu vá fazer uma lista do tipo: Cara de guri, bochechas, olhos profundos, humor safado, carinho... Não, nada disso, por que [in]felizmente eu adorava tudo isso em você [=X], mas sim abrir espaço pro novo.


Por que vamo combinar, há tanta diversidade no mundo, pra repetir as cartas do baralho? 
Já me basta o passado que insiste em bater em minha porta.


A dúvida é, eu consigo?


Não sei dizer, mas sei que esse blog é muito mais eu,  muito mais legal e vivo, quando eu me meto em confusões tentando.


Então, temo  em dizer que a boa, e velha Bells solteira, safada e engraçada voltou. Enjoy.
Como eu não pretendo me enrolar de novo tão cedo, vocês vão ter tempo de curtir.




Ahhhhhhhhhh, o Cd novo do HOMEM DA MINHA VIDA, vazou. Nem precisa dizer que ando ouvindo feito louca né?


Um trecho de Age of Worry:




"Don't be scared to walk alone

 Don't be scared to like it..."


segunda-feira, 30 de abril de 2012

Dor de cabeça de chorar.


Nunca mais tinha sentido.
Não por que eu não tivesse motivos para me debulhar em lágrimas, mas por que eu tava me fazendo de forte.
Hoje não deu.
Quando você é escolhido pra algo e vetado por que te falta algo que você não teve a oportunidade de ter.
Quando você se ilude como uma criança de 5 anos com alguém.
Quando você olha pros 4 cantos e sente que de verdade, não tem ninguém.
Quando você segura a dor e canta o mantra do eu não ligo morrendo por dentro.
Tudo isso aliada a uma das piores tdm's dos últimos tempos, o fato de você perder o cover do seu cantor predileto, estar se sentindo deslocada no mundo, e uma carência afetiva elevada ³.
Você chora.
Chora de dar dó no mundo todo.
Chora por se sentir o último dos moicanos.
Chora por que sabe que é tudo que você vai poder fazer.
Chora mesmo sabendo que isso não vai fazer passar.
Sabe aquele bolo escroto na garganta?
Digito, choro e sinto ele nesse momento.
E tudo que eu queria era que alguém ou algo pudesse fazer essa dor passar.
Mas eu não quero que ninguém fique triste por mim.
Mas as pessoas tem seus próprios problemas e não cabe a elas se preocuparem comigo.
Mas a merda é que essa carência me deixa triste demais.
Mas eu sei que daqui a pouco essa dor passa
Enquanto isso hoje, eu vou só me resguardar ao direito de chorar.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Nobody's home.


Eu sou muito velha pra postar uma música da Avril?
Tomara que não, por que hoje eu estou bem assim. Ta meio 2004/2005.



I couldn't tell you
Why she felt that way
She felt it everyday
I couldn't help her
I just watched her make
The same mistakes again
What's wrong, what's wrong now
Too many, too many problems
Don't know where she belongs
Where she belongs
(Chorus)
She wants to go home, but nobody's home
That's where she lies, broken inside
With no place to go, no place to go
To dry her eyes, broken inside
Open your eyes
And look outside
Find the reason why (why)
You've been rejected (You've been rejected)
And now you can't find
What you left behind
Be strong, be strong now
Too many too many problems
Don't know where she belongs
Where she belongs
(Chorus)
She wants to go home, but nobody's home
That's where she lies, broken inside
With no place to go, no place to go
To dry her eyes broken inside
Her feeling she hides
Her dream she can't find
She's losing her mind
She's falling behind
She can't find her place
She's losing her faith
She's falling from grace
She's all over the place (yeah!)
(Chorus)
She wants to go home, but nobody's home
That's where she lies, broken inside
With no place to go, no place to go
To dry her eyes broken inside
She's lost inside, lost inside (oh, oh)
She's lost inside, lost inside (oh, oh, yeah)


What a hell wrong with me?

domingo, 15 de abril de 2012

Verborragia

Sempre achei que escrever fosse uma das muitas formas possíveis de expurgar meus demônios.
Dançar é outra delas. Sexo também. Ouvir música e comer também se enquadrariam facilmente.
Mas escrever tem um significado maior por que sempre me foi mais fácil traduzir-me em palavras escritas do que ditas.
Voltei a escrever como louca.
É bom, mas também quer dizer que eu tenho tido muito tempo livre pra pensar. Estar namorando pode ocupar todos os seus espaços. Um dos bons motivos pelos quais eu não quero namorar de novo tão cedo. (hihihihi)
Hoje eu vi o show do Foo Figthers no Lollapalooza. deu muita, muita invejinha de quem foi.ouvindo eles, que estão marcando muito esses novos tempos[vide facebook e postagens anteriores]eu ouvi uma música que define muito os novos tempos, os novos rumos e etc. Mas eu não vou posta-la agora.
Agora eu vou abrir a minha reflexão de uma coisa que anda rolando.
Ouvi uma história, uma dessas histórias da carochinha.
Sobre como uma pessoa pode se iludir, caso deseje, com alguém. Que abriram tópicos mentais tipo:
Como eu enjoo fácil das coisas/pessoas.
Como reagiria se uma dessas pessoas reagissem da mesma forma comigo.
Fui testada, medida e considerada insuficiente, recentemente.[vide postagens antigas]
But, o que me despertou interesse é como outras pessoas lidam com isso. Por que eu apertei um botão chamado forward e estou ouvindo música e tentando ser produtiva.
Os outros também reagem assim? Eu não deveria ficar brava, esquecer, apagar do facebook, dar piti?
Como lidar?
E o que leva alguém a se desiludir? O que me leva a enjoar?
Por que eu não posso gostar de todo mundo? Alias, as pessoas gostam de todos a sua volta?
Por que eu sou estranha? hauhauahauhauhaahuahauhauahuhauhauahauhauahauhauahuahauhahuahua
Passado o momento revolta reflexão, eu resolvi postar a música, e nem compartilhar minhas conclusões, por que né?

http://www.youtube.com/watch?v=4PkcfQtibmU&feature=related


Ps: Quase nunca falo de sexo aqui, tem gente que vai se assustar. =P

sábado, 14 de abril de 2012

A intermitência voltou. Or not.

Hey dears,



Eu voltei a escrever, não aqui, no papel. To enchendo uma agenda, mas não acho que nada esteja bom pra postar no I&A e eu ando meio louca demais pra escrever aqui.
Eu só ando querendo muitas coisas, passando por muitas coisas, e eu não consigo ao certo decidir de que lado estar.
O que fazer sabe, como prosseguir com esses milhões de sentimentos e situações se apoderando de mim.
Eu não estou mais em casa de fossa. [amigas dizem alleluia]
Mas também não to "na pista".
O que ainda não sarou, dois meses depois vai sarar, com o tempo.
E eu nem to com pressa pras feridas fecharem, algumas já fecharam, é só que...
Eu to perdida.
Não nos velhos sentimentos, desses eu guardo as lembranças, boas, ruins, as músicas, fotos, sentimentos.
Eu to  perdida em quem eu vou ser daqui pra frente.
Por que eu definitivamente não sou a mesma de um ano e quatro meses atrás.
Recentemente conversei com uma pessoa, mentira várias.
E me tornei entediante, reclamona, resmungona, defeitos que já eram meus mas que se maximizaram muito.
Hoje quando alguém olha pra mim e fala que me adora eu desconfio, já viu se gostar de gente chata?
Aff, e eu não consigo mais confiar também, olho todo mundo com cara de, eu sei o que vc quer dizer...

Agora como lidar com uma repaginação sem me perder mais ainda no caminho?
E eu nem desconfio o que realmente quero agora.

sexta-feira, 16 de março de 2012

Apaixonar-se.


Sabe aquele comichão interno gostoso?
Tem rolado um.
Não eu não tenho tido grandes emoções, ou melhor, tenho tido poucas boas emoções.
Os tempos são mais de tempestade do que de bonança, mas eu não me renderei.
Tive uma semana particularmente péssima. Todavia, tive picos legais.
Fiquei doente duas vezes, por causas diferentes na mesma semana.[estou dodoi]
Entretanto, as mazelas diárias não são tudo. Eu fiz questionário, dinâmica, entrevista, e agora faço parte do time da Aiesec [ se você não sabe o que é Aiesec: http://www.aiesec.org.br/salvador/  ] e agora eu tenho pelo menos um bom motivo pra sorrir.
Estou me apaixonando.
Pela ideia, pela novidade, pelo conhecimento, pelas oportunidades, pelas pessoas, pelo poder, poder esse que é um dos mais significativos, o poder de mudar o mundo, mudando a mim mesma, e impactando positivamente na vida de tantas outras pessoas.
Você pode achar isso uma idiotice, " a paz mundial, balela." do meu jeito eu te digo, Balela é o caralho, nosso nome é Aiesec.
Sempre quis me engajar em algo, ser uma revolucionária preguiçosa, é confortável, até saber o quanto é bom poder lutar.
Yes, I can.

Ok, nem sou dos discursos motivacionais, mas: Você também pode. O processo seletivo está aberto, então, venha fazer parte de uma paixão imensa que pode mudar o mundo, você também.

No, I'm still not well, but I'm staying.